Isolamento Social e Saúde Mental

No atual contexto da pandemia do COVID-19, a incerteza e a baixa previsibilidade do vírus, não apenas ameaçam a saúde física das pessoas, mas também afetam a saúde mental, trazendo impacto psicológico em níveis mais altos de estresse, ansiedade e depressão.

As medidas de isolamento empregadas, embora necessárias e indicadas pela OMS para controle da pandemia, podem trazer impacto psicológico negativo e piora em relação aos níveis de ansiedade e qualidade de vida, segundo alguns estudos iniciais.

Um estudo sobre o impacto emocional do COVID-19 e medidas de isolamento empregadas, mostrou que as pessoas mostraram mais emoções negativas (ansiedade, depressão e indignação) e menos positivas emoções (felicidade) nesses contextos. Esse estudo concluiu que informações específicas de saúde atualizadas e precisas (por exemplo, tratamento, situação local do surto) e medidas de precaução específicas (por exemplo, higiene das mãos, uso de máscara) foram associadas a um menor impacto psicológico do surto e a níveis mais baixos de estresse, ansiedade e depressão.

Outro estudo incluiu 1210 entrevistados de 194 cidades da China. No total, 53,8% dos entrevistados classificaram o impacto psicológico do surto como moderado ou grave; 16,5% relataram sintomas depressivos moderados a graves; 28,8% relataram sintomas de ansiedade moderados a graves; e 8,1% relataram níveis de estresse moderado a grave.

Nesse cenário, a sensação de ameaça à potencial doença traz por si só uma tendência a desenvolver comportamentos evitativos e desencadear emoções negativas. Essas emoções negativas ajudam a manter as pessoas longe de possíveis patógenos quando se refere à doença, no entanto, a presença delas a longo prazo pode reduzir a função imunológica das pessoas e destruir o equilíbrio de seus mecanismos fisiológicos devido à exposição ao estresse prolongado.

Nesse contexto e considerando o momento epideomiológico atual do COVID-19, sugerimos algumas medidas que podem auxiliar na manutenção da saúde mental nesse período:

Tenha cuidado com as informações que recebe e compartilha.

É normal estar preocupado, querer informar-se, mas cuide para que as fontes de leitura sejam confiáveis e limite apenas um ou dois momentos do dia para atualizar-se sobre o cenário atual. O excesso de informações chegando a todo momento via aplicativos de celular pode ativar ansiedade e acentuar sintomas psiquiátricos, ativando o sistema nervoso autônomo e predispondo a alterações fisiológicas de resposta ao estresse.

Organize o seu tempo

O trabalho em Home Office é uma estratégia que pode ser muito positiva em relação a evitar o contato e contaminação do COVID-19, mas é necessário estabelecer um horário para execução e reservar um  ambiente em casa para que essas atividades sejam desempenhadas com tranquilidade. Organize pequenas pausas durante o trabalho e se planeje para que encerre suas atividades no máximo uma hora antes do horário proposto para dormir para garantir uma boa higiene do sono.

Lembre-se que estabelecer horário para suas atividades laborais e preservar momentos de lazer e descanso é muito importante para fortalecer a saúde mental.

Reforce o seu autocuidado

Mantenha horários regulares de sono, cuide da qualidade da sua alimentação, faça atividades físicas dentro de casa e experimente práticas de meditação. A sociedade vipassana está oferecendo gratuitamente  pelo instagram  @sociedade.vipassana transmissão online de meditações e Yoga para serem feitas em casa nesse período de isolamento social do COVID-19.

Alguns museus também liberaram acesso para tour virtual e coleções online nesse período gratuitamente:

  1. Pinacoteca de Brera – Milão
  2. Galeria Uffizi – Florença
  3. Museus do Vaticano – Roma
  4. Museu Arqueológico – Atenas
  5. Prado – Madrid
  6. Louvre – Paris
  7. Museu Britânico – Londres
  8. Museu Metropolitano – Nova Iorque
  9. Hermitage – São Petersburgo
  10. Galeria Nacional de Arte – Washington

Outra dica é aproveitar que algumas operadoras disponibilizaram canais de assinatura sem custo adicional e pode ser uma oportunidade para assistir algo do seu interesse para relaxar.  

Reforce seus vínculos familiares

As medidas de isolamento por vezes limitam a convivência exclusivamente com as pessoas com quem você mora e isso pode ser favorecer a um momento importante e saudável de reforçar vínculos: aproveite para brincar com seus filhos, estar presente nos momentos de refeições em família, conversar com seus pais, irmãos, companheiro(a) e assistir  e discutir sobre filmes e séries que tenham interesse comum.

Pra quem não está próximo fisicamente, use a tecnologia a seu favor: faça chamadas de vídeos através de aplicativos e converse diariamente com pessoas que lhe são importantes, como familiares e amigos.  

Sabemos que o contexto atual tem trazido muita insegurança, as informações e orientações acerca do COVID-19 são modificadas com muita rapidez, mas gostaríamos de reforçar que o momento da epidemia no Brasil é de prudência, não de pânico e trabalharemos juntos para superá-lo. 

Referências Bibliográficas:

  1. The Impact of COVID-19 Epidemic Declaration on Psychological Consequences: A Study on Active Weibo Users.
    Li S, Wang Y, Xue J, Zhao N, Zhu T.
    Int J Environ Res Public Health. 2020 Mar 19;17(6). pii: E2032. doi: 10.3390/ijerph17062032.
  2. Factors Associated With Mental Health Outcomes Among Health Care Workers Exposed to Coronavirus Disease 2019.
    Lai J, Ma S, Wang Y, Cai Z, Hu J, Wei N, Wu J, Du H, Chen T, Li R, Tan H, Kang L, Yao L, Huang M, Wang H, Wang G, Liu Z, Hu S.
    JAMA Netw Open. 2020 Mar 2;3(3):e203976. doi: 10.1001/jamanetworkopen.2020.3976.
  3. Immediate Psychological Responses and Associated Factors during the Initial Stage of the 2019 Coronavirus Disease (COVID-19) Epidemic among the General Population in China.
    Wang C, Pan R, Wan X, Tan Y, Xu L, Ho CS, Ho RC. Int J Environ Res Public Health. 2020 Mar 6;17(5). pii: E1729. doi: 10.3390/ijerph17051729.
  4. Patients with mental health disorders in the COVID-19 epidemic.
    Yao H1, Chen JH2, Xu YF3. Lancet Psychiatry. 2020 Apr;7(4):e21. doi: 10.1016/S2215-0366(20)30090-0.
Compartilhe:
WhatsApp chat